A realidade que se impõe

provedorPerante os desafios que o presente nos coloca, a questão demográfica, onde a natalidade e o envelhecimento sobressaem, prognostica enormes problemas e bloqueios futuros. Portugal entre 2011 e 2018 perdeu 2,52% da sua população que corresponde a 265 781 pessoas. Somos o sétimo país que mais população perdeu na União Europeia segundo o Eurostat. A Região Norte teve uma quebra populacional de 3.11%. O Alto Minho perdeu um pouco mais do dobro, ou seja 5,40%, que corresponde a menos 13 195 pessoas. O distrito tem hoje pouco mais de 230.000 pessoas. Longe vão os tempos em que eramos 250.000 habitantes no Alto Minho. Melgaço tem uma perda populacional de 10,87%, seguindo-se Arcos de Valdevez com 7.66%. Residem hoje no concelho 20 970 pessoas segundo os dados do INE. Como podemos verificar o país, a Região Norte e o distrito, em todos os seus concelhos, perdem população.

A taxa de natalidade era em 2011 de 9,2%, descendo para 8,5% em 2018, sendo em 1960 de 24,1%. O declínio da natalidade no país tem aumentado o problema demográfico.

A recessão demográfica é um problema há muito constatada por várias instâncias do Estado, à qual não foi dada resposta, ao contrário do verificado em muitos outros países com políticas efetivas de apoio à natalidade e ao envelhecimento. A continuar esta perda demográfica Portugal estará reduzido em 2080 a 7,5 milhões de pessoas. Este é um problema grave com enormes consequências futuras a vários níveis, nomeadamente na produção de riqueza e criação de bem-estar.

Como diz o povo um mal nunca vem só. O índice de envelhecimento da população tem vindo a aumentar sendo em 2011 no país de 127,6 por 1000 habitantes, e 2018 de 159,4. No Alto Minho este índice era em 2011 de 173,4, sendo em 2018 de 220,3. Portugal tem uma população envelhecida, sobretudo nas regiões rurais e do interior. Em 2018 mais de um milhão de Portugueses tinha mais de 75 anos, o que nos mostra o grau de envelhecimento populacional.

A natalidade e o envelhecimento são questões prioritárias, exigindo a adequação de políticas tendentes à sua resolução ou minimização. Sei que as soluções exigirão tempo, que incluem vários mandatos legislativos ou autárquicos, mas torna-se imperioso começar já. As políticas de apoio à natalidade, à educação, à habitação, assim como a implementação de políticas de âmbito social de apoio aos idosos que incluam a disponibilização de equipamentos sociais adequados às necessidades, tornam-se um imperativo cívico, mesmo ético.

Santa Casa da Misericórdia

de Arcos de Valdevez

Complexo Vilagerações

Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez

Rua Comendador Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, nº 146

4970-600 Arcos de Valdevez

Tel: 258 510 110

Fax: 258 510 119

Email: geral@scmav.pt

Please publish modules in offcanvas position.